segunda-feira, 28 de junho de 2010

Apoetando o lápis

Fazer poesia
é saber que cada verso que lhe escapa
a cabeça
se estupidesse no papel
inexoravelmente

por isso,
melhor pensar tapado
e fazer feio de qualquer jeito
do que pensar espertadamente
e esburrecer.

A gente faremos poema de casebre.

7 comentários:

  1. ÊBA!!!

    lembra daquela vez amanhã
    que a gente apontaria o lápis
    e invez de sair apontado
    saiu desapontado?

    foi muito legau aquilos!

    ResponderExcluir
  2. ,e foi que nem aquela vez que a minha chaleira molenga desandou e derramou gosma em cima dos poemas, um menino tentou correr pra ajudar mas ele escorregou nos próprios cotovelos peludos, era um animal mesmo, mais parecia um macaco, pois andava com a boca espumando-

    ResponderExcluir
  3. Rá, matou a pau.
    É exatamente isso.

    ResponderExcluir
  4. Se apoetar os lápis de cor, saem versos coloridos?
    E se usar pontas de estrelas nas lapiseiras, escrevo poesia que toca o infinito?

    ResponderExcluir

Faça da interrupção, um caminho novo.